• Yuri Ribeiro

Hermès vende 14 milhões em sua reabertura pós-quarentena na China

Marca atingida pela grife pode gerar repostas sobre o comportamento de consumo no cenário pós-pandemia.

HONG KONG, CHINA – 2020/02/23: (Photo by May James/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)

Na última semana uma notícia pegou o setor da moda de surpresa. A label francesa Hermès vendeu 2,7 milhões de dólares, o equivalente a 14 milhões de reais, no primeiro dia de sua reabertura pós-quarentena, na China. A informação, divulgada pelo portal Women’s Wear Daily, chega em meio a um cenário repleto de incerteza e questionamentos sobre um futuro da moda afetado pela crise do coronavírus.

Segundo o Women’s Wear Daily a loja da Hermès que registrou esse faturamento está localizada em Guangzhou, considerada uma das cidades mais ricas da China. As informações são que a filial da grife, para a sua reabertura, recebeu um estoque de bolsas raras, incluindo um modelo Himalayan Birkin com diamantes cravejados. A volta às compras foi, inclusive, registrada nas redes sociais pelas chinesas.

A notícia do aquecimento das vendas remete a um movimento vivido na década de 1950, quando em um cenário pós-guerra houve tempos áureos. Havia, naquele contexto, um espírito de prosperidade econômica, incentivada pelas autoridades e o mercado com o objetivo de estimular o consumo. A moda absorveu a ideia e ofereceu o que as pessoas ansiavam. O que se viu nos chamados “Anos Dourados” foram roupas que traziam luxo e sofisticação. Com a mudança social, o consumo foi ressignificado.

Anos mais tarde, já nos anos 1980, surge o termo “revenge buying”, que é justamente um comportamento que muitos esperam acontecer no pós coronavírus. O termo, traduzido como “consumo de vingança”, refere-se a um consumo seguido de uma demanda reprimida. Esse é o cenário que temos hoje.

A quarentena está levando a uma queda de consumo e a expectativa é que esse consumo seja retomado de forma acelerada e crescente no futuro. No entanto, ao fazer essa projeção deve-se atentar que o contexto atual é completamente diferente de situações semelhantes vividas em outros momentos da história mundial. Esperar um aumento de compras após a quarentena deve ser considerado, assim, com muita cautela.

Não há como precisar se as vendas da Hermès apontam com exatidão o que vai acontecer no futuro, respondendo finalmente os questionamentos que todo o setor está se fazendo. O fato é que a notícia pode ser vista dentro de uma perspectiva positiva sim. Isso porque a grife de luxo está em um segmento que é a ponta da pirâmide. No sistema da moda, o mercado de luxo impacta todas as demais engrenagem. Logo, a forma que esse mercado se portará, pode trazer um direcionamento.